Menu fechado

Por Arthur Paes Barretto, médico-veterinário acupunturista (CRMV-SP 6871)

Implantes de ouro para o tratamento da displasia coxofemoral canina

Há muitas décadas a displasia coxofemoral vem sendo relatada e pesquisada na medicina veterinária. Os registros dos primeiros trabalhos publicados datam da década de 30, na Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos da América, pelo dr. Schnelle 1-3. Ela caracteriza-se por incongruência articular e alterações dos tecidos conectivos da referida articulação. Durante a avaliação semiológica o principal exame é o Teste de Ortolani, mas também se pode executar o teste de Bardens 4.

No Brasil, no início da década de 90, o Colégio Brasileiro de Radiologia Veterinária (CBRV) padronizou o diagnóstico conforme os critérios de avaliação da Federação Cinológica Internacional  (FCI), que utiliza como referência o ângulo de Norberg (Quadro 1)4. O CBRV também incluiu a idade dos cães em suas normas para avaliação de displasia coxofemoral: preliminar (a partir de 12 meses) e definitiva (a partir de 24 meses) 5.

{PAYWALL_INICIO}

Quadro 1 – Graduação das articulações coxofemorais conforme normas do Colégio Brasileiro de Radiologia Veterinária 5

 

Diferentemente do método convencional de avaliação da displasia coxofemoral que exige a maturidade do cão (a partir dos 12 meses), o método PennHip, que utiliza o índice de distração, permite a avaliação a partir de 16 semanas 6-8. Este método foi desenvolvido na Universidade da Pensilvânia, instituição pioneira nas pesquisas envolvendo a displasia coxofemoral canina 1-3,9. Ele permite avaliar a congruência articular, a existência de osteoartrose e a quantificar a frouxidão articular, por meio do índice de distração10,11. Apesar do crescimento da adoção deste método por associações de criadores ligadas ao American Kennel Club, no Brasil este método ainda é pouco utilizado. Ele não consta, por exemplo, na resolução Nº 21/2019, do Conselho Brasileiro da Raça Rottweiler (CBRR) 12.

Em 2009, na Universidade Federal do Paraná, estudo comparou o método convencional com o PennHip e o resultados incentivam a aplicação deste último na rotina para identificação e classificação da displasia coxofemoral no plantel nacional, como alternativa de precocidade diagnóstica, e também nos cães que são considerados suspeitos pelo método radiográfico convencional 13. Porém, identificou também que o método é mais trabalhoso e que o resultado pode ser impactado pelo mau posicionamento 13.

Em 2014, na Universidade Federal de Minas Gerais, outra pesquisa comparou a utilização dessas duas técnicas em animais adultos, chegando à conclusão de que apesar do método PennHip ser mais eficaz na detecção da frouxidão articular passiva em animais com menos de 12 meses de idade, esse método não deve ser utilizado como primeira opção de diagnóstico da displasia coxofemoral em cães adultos 14.

É comum encontrar citações de que a displasia coxofemoral é comum em cães grandes e gigantes e é a principal causa do desenvolvimento de osteoartrite em cães. Realmente, muitas dessas raças são acometidas. Golden retrievers, pastores alemães, labrador retrievers e rottweilers foram raças de alta prevalência em levantamento feito na Universidade do Mississipi entre 1991 e 1995 com quase 3000 cães 15. Porém, é importante ter atenção para outros levantamentos. Dados de avaliações durante o período de 1974 a 2019, compilados pela Orthopedic Foundation for Animals (OFA), destaca que de 194 raças que tiveram pelo menos 50 avaliações, o pug é a raça que está em primeiro lugar, seguida pelo bulldog. Buldogue francês e shit-zu também estão na lista, mas com quase a metade da incidência do pug e do bulldog 16. Além disso, é importante destacar que a displasia coxofemoral também pode acometer felinos 17.

Essas considerações sobre o diagnóstico da displasia coxofemoral são importantes para facilitar a sua identificação e adoção de medidas envolvendo sua prevenção e seu tratamento, que quando é feito com protocolos conservativos envolve suplementos nutricionais (condroitina e glucosamina), fisioterapia e acupuntura 18.

Tratamento conservativo

A fotobiomodulação (laserterapia), exercícios em esteira aquática, cinesioterapia e eletroestimulação são algumas das técnicas que podem estar presentes nos protocolos prescritos pelo médico-veterinário fisiatra para a reabilitação de pacientes com displasia coxofemoral canina 20.  A acupuntura é uma técnica bastante presente na literatura científica para o tratamento conservativo desses pacientes (Figura 1). A forma clássica da acupuntura é feita através de agulhas. Porém, para agir nos pontos de acupuntura também é possível utilizar desde as próprias mãos (digitopuntura), até diferentes substâncias com o objetivo de prolongar a estimulação do ponto, como fármacos (farmacopuntura) , sangue (hemopuntura), ar (pneumopuntura)  e implantes de ouro 21 (Figura 1). A moxabustão é outra técnica da medicina chinesa que também pode ser usada nos casos de displasia coxofemoral 22.

 
Figura 1: Material utilizado para aplicar implantes de ouro. 1) seringa adaptada para aplicação dos implantes; 2) agulha hipodérmica modelo 40×1,2 (18G); 3) pomada de sulfato de neomicina e bacitracina zíncica; 4) tubete com implantes de ouro; 5) implantes de ouro ampliados. Para executar o procedimento, os implantes devem ser esterilizados com fogo através do uso de álcool. Cada implante esterilizado é colocado na ponta da agulha, juntamente com um pouco da pomada, que evitará a queda do implante durante a manipulação da seringa e cuja ação antibiótica será benéfica durante o período pós implante.

No ano de 1974, na Universidade da Califórnia, a medicina ocidental tomava conhecimento da prática oriental de implantes de metais. A ocorrência foi registrada  através de achado radiográfico em paciente coreana, a qual tinha consciência dos implantes. Na época desse achado, não havia nenhuma publicação no ocidente que citasse a técnica 23.
Os primeiros registros sobre a técnica de implantes de ouro em pontos de acupuntura foram feitos pelo dr. Durkes e estão publicados em livros publicados em 1992 24 e 1994 25. O dr. Durkes é conhecido como o profissional que trouxe a técnica para os Estados Unidos da América, seguindo realizando-a até os dias atuais 26.

A recomendação dos implantes de ouro para tratamento conservativo da displasia coxofemoral também está presente em livro de referência no estudo da acupuntura veterinária. Neste livro, eles também são indicados em casos de epilepsia, mas recomenda-se que previamente o paciente seja submetido a tratamento com as tradicionais agulhas para´a seleção dos pontos e avaliação do resultados 21,27,28. Na prática, para o tratamento da displasia coxofemoral canina com acupuntura, também é interessante a seleção dos pontos de implante através da identificação de pontos sensíveis na região do quadril (pontos gatilho)18 e dos resultados obtidos através da inserção de agulhas. Os pontos de acupuntura mais recomendados  são: VB-29, VB-30 e B-54 (Figura 2). Porém, outros pontos merecem atenção e avaliação: Jian-jiao 29,30, Ba-shan 30 e Huan-hou 30.

Figura 2: Membro pélvico direito com agulhas de acupuntura nos pontos VB29, VB30 e B54.

 

Huan-zhong e Huan-tiao são pontos usados com menos frequência em relação aos já citados, mas que também podem ser utilizados 30. Os pontos R-1 e B-60 não possuem citação na literatura veterinária para a utilização de implantes de ouro, mas são comumente usados em pacientes com displasia coxofemoral nos protocolos com agulhas de acupuntura 31.

Alguns trabalhos recomendando o uso de implantes de ouro em pontos de acupuntura foram produzidos na Noruega durante os anos de 2005 e 2012 32-36. Estes trabalhos são importantes porque mostram envolvimento por longo período. Inclusive, um dos trabalhos publicados pelo grupo de pesquisadores envolvidos relata avaliação feita pelo período de 2 anos e que mostraram bons resultados entre os pacientes que receberam os implantes 34.

No Brasil, destaca-se o atendimento de pacientes com problemas neurológicos ou ortopédicos no Ambulatório de Acupuntura Veterinária da Universidade Estadual Paulista, campus de Botucatu e seus resultados favoráveis para a qualidade de vida dos pacientes atendidos 37.

É importante ressaltar a prevenção do sobrepeso e o tratamento da obesidade no protocolo terapêutico de qualquer paciente com problema de mobilidade 38. Também deve-se considerar que muitos pacientes possuem displasia coxofemoral associada à síndrome da cauda equina, o que dificulta muito saber interpretar qual das duas afecções é responsável pelos sinais mais graves 39.

Referências bibliográficas

1-Schnelle GB. Some new diseases in the dog. American Kennel Gazette, 52:25-26, 1935.

2-Schnelle GB. The veterinary radiologist: regional radiography of the pelvic region, Part 1 North American Veterinarian, 18:53-56, 1937.

3-Schnelle GB. Congenital subluxation of the coxofemoral joint in a dog. University of Pennsylvania medical bulletin 65:15-16, 1937.

4-Sommer EL; Fratocchi CLG. Displasia coxofemoral. Clínica Veterinária, n. 8, mai/jun, 1997. Disponível em: https://issuu.com/clinicavet/docs/clinica_veterinaria_8/10 . Acesso em 20/07/2020.

5-Colégio Brasileiro de Radiologia Veterinária. Normas do Colégio Brasileiro de Radiologia Veterinária (CBRV) para avaliação da displasia coxofemoral em cães. Disponível em: http://www.abrv.org.br/arquivos/normas-do-colegio.pdf . Acesso em 20/07/2020.

6-Nogueira SZ; Rocha LB, Tudury EA. Utilização do índice de distração no diagnóstico da displasia coxofemoral canina. Clínica Veterinária, n. 54, p. 28-42, 2005. Disponível em: https://issuu.com/clinicavet/docs/clinica_veterinaria_54/28 . Acesso em 20/07/2020.

7-Powers MY; Karbe GT; Gregor TP; McKelvie P; Culp WTN; Fordyce HH; Smith GK. (2010). Evaluation of the relationship between Orthopedic Foundation for Animals’ hip joint scores and PennHIP distraction index values in dogs. Journal of the American Veterinary Medical Association, 237(5), 532–541. Disponível em: DOI://10.2460/javma.237.5.532 . Acesso em: 20/07/2020.

8-Powers MY; Karbe GT; Gregor TP; McKelvie P; Culp WTN; Fordyce HH; Smith GK. (2010). Evaluation of the relationship between Orthopedic Foundation for Animals’ hip joint scores and PennHIP distraction index values in dogs. Journal of the American Veterinary Medical Association, 237(5), 532–541. doi:10.2460/javma.237.5.532

9-Donges J. Pioneering the Diagnosis of Canine Hip Dysplasia. Bellwether, Spring 2015.

Disponível em: https://www.vet.upenn.edu/about/press-room/publications/bellwether-magazine/bellwether-winter-2015/pennhip-article . Acesso em: 20/07/2020.

10-Millis D; Hickey D. Avaliação e medição dos resultados. In: Lopes RS; Diniz R. Fisiatria em pequenos animais. 1a Ed. Ed. Inteligente. 2018. p. 83.
11-Sprada AG; Minto BW. Afecções do quadril. In: Lopes RS; Diniz R. Fisiatria em pequenos animais. 1. ed. São Paulo : Editora Inteligente, 2018. p. 370-380. ISBN: 978-85-85315-00-9.

12-conselho Brasileiro da Raça Rottweiler (CBRR). Resolução CBRR Nº 21/2019. Altera o Regulamento de Criação Selecionada de Cães da Raça Rottweiler. Disponível em: http://cbrr.com.br/reso/reso_21.pdf . Acesso em 20/07/2020.

13-Froes TR et al. Estudo comparativo e análise interobservador entre dois métodos de avaliaçâo da displasia coxofemoral de cães. Archives of Veterinary Science, [S.l.], dec. 2009. ISSN 2317-6822. Disponível em: <https://revistas.ufpr.br/veterinary/article/view/13761>. doi:http://dx.doi.org/10.5380/avs.v14i4.13761. Acesso em 20/07/2020.

14-Rocha BD; TORRES RCS; SILVA EF; MIRANDA FG. Avaliação radiográfica da displasia coxofemoral de cães adultos: comparação entre dois métodos. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec. [online]. 2014, vol.66, n.6 [cited  2020-08-02], pp.1735-1741. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-09352014000601735&lng=en&nrm=iso>. ISSN 0102-0935.  https://doi.org/10.1590/1678-7181. Acesso em 20/07/2020.

15-Rettenmaier JL; Keller GG; Lattimer JC; Corley EA; Ellersieck MR. (2002). Prevalence of canine hip dysplasia in a veterinary teaching hospital population. Veterinary Radiology Ultrasound, 43(4), 313–318. DOI:10.1111/j.1740-8261.2002.tb01010.x

16-Orthopedic Foundation for Animals – Companion Animal Research (OFA). Breed statistics. Disponível em: https://www.ofa.org/diseases/breed-statistics#detail . Acesso em 20/07/2020.

17-Fonseca AC; Daniel AGT. Principais doenças osteoarticulares dos felinos. In: Lopes RS; Diniz R. Fisiatria em pequenos animais. 1. ed. São Paulo : Editora Inteligente, 2018. p. 446-452. ISBN: 978-85-85315-00-9.

18-Scognamillo-Szabó MVR; Sousa NR; Tannús L; Carvalho FSR. Acupuntura e implante de fragmentos de ouro em pontos de acupuntura e pontos  gatilho para o tratamento de displasia coxofemoral em Pastor Alemão. Acta Scientiae Veterinariae, 38(4): 443-448, 2010. Disponível em: http://www.ufrgs.br/actavet/38-4/PUB%20938.pdf . Acesso em 20/07/2020.

19-Sousa NR; Tannús L;  Scognamillo-Szabó MVR. Implante de fragmentos de ouro em pontos de acupuntura e pontos gatilhos para o tratamento de displasia coxofemoral em cães. Veterinária e Zootecnia, v. 17,  f. 3, p. 335-342, 2010. Disponível em: https://www.bvs-vet.org.br/vetindex/periodicos/veterinaria-e-zootecnia/17-(2010)-3/implante-de-fragmentos-de-ouro-em-pontos-de-acupuntuta-e-pontos-gatilh/ . Acesso em: 20/07/2020.

20-Lopes RS; Diniz R. Fisiatria em pequenos animais. 1a Ed. Ed. Inteligente. 2018. 536p.

21-Clemmons RM. Chapter 12 – Functional neuroanatomical physiology of acupuncture. In: Xie H, Preast V. Xie´s Veterinary Acupuncture. 1a ed. Blackwell Publishing. 2007. p344.

22-Xie H; Preast V. Chapter 7. General rules of acupuncture therapy.  In: Xie H; Preast V. Xie´s Veterinary Acupuncture. 1a ed. Blackwell Publishing. 2007. p237.

23-Behrstock BB; Petrakis NL. Case reports. Permanent subcutaneous gold acupuncture needles. West J Med. 1974 Aug; 121(2): 140–142. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1129531/ . Acesso em 20/07/2020.

24-Durkes TE. Gold bead implants. In: Problems in Veterinary Medicine. Schoen AM (ed). Philadelphia: J.B. Lippincott 1992; 207-11.

25-Durkes TE. Gold Bead Implants. In: Veterinary Acupuncture: Ancient Art to Modern Medicine. Schoen AM (ed). St. Louis: Mosby 1994; 285-9.

26-Durkes Veterinary Clinic. Hip Dysplasia. Disponível em: https://durkesveterinaryclinic.com/gold-bead-implants/hip-dysplasia . Acesso em: 02/08/2020.

27-Ferguson B. Chapter 11 – Techniques of veterinary acupuncture and moxibustion. In: Xie H; Preast V. Xie´s Veterinary Acupuncture. 1a ed. Blackwell Publishing. 2007. p335.

28-Xie H; Preast V. Chapter 8. Acupuncture for treatment of musculoskeletal and neurological disorders. In: Xie H; Preast V. Xie´s Veterinary Acupuncture. 1a ed. Blackwell Publishing. 2007. p259.

29-Xie H; Preast V. Chapter 7. General rules of acupuncture therapy. In: Xie H; Preast V. Xie´s Veterinary Acupuncture. 1a ed. Blackwell Publishing. 2007. p.238.

30-Chrisman C; Xie H. Chapter 6. Canine classical acupoints.  In: Xie H; Preast V. Xie´s Veterinary Acupuncture. 1a ed. Blackwell Publishing. 2007. p232.

31-Xie H; Preast V. Chapter 7. General rules of acupuncture therapy. In: Xie H; Preast V. Xie´s Veterinary Acupuncture. 1a ed. Blackwell Publishing. 2007. p239.

32-Jæger, G., Larsen, S. & Moe, L. Stratification, Blinding and Placebo Effect in a Randomized, Double Blind Placebo-controlled Clinical Trial of Gold Bead Implantation in Dogs with Hip Dysplasia. Acta Vet Scand, 46, 57 (2005). Disponível em: https://doi.org/10.1186/1751-0147-46-57 . Acesso em: 20/07/2020.

33-Jaeger GT;  Larsen S; Søli N; Moe L. Double-blind, placebo-controlled trial of the pain-relieving effects of the implantation of gold beads into dogs with hip dysplasia. Veterinary Record, 158(21), p. 722–726, 2006. Disponível em: DOI://10.1136/vr.158.21.722 . Acesso em: 20/07/2020.

34-Jaeger GT, Larsen S, Søli N, Moe L. Two years follow-up study of the pain-relieving effect of gold bead implantation in dogs with hip-joint arthritis. Acta Vet Scand. 2007;49(1):9. Published 2007 Mar 23. Disponível em: DOI://10.1186/1751-0147-49-9 . Acesso em: 20/07/2020.

35-Lie K-I; Jæger G; Nordstoga K; Moe L. (2010). Inflammatory Response to Therapeutic Gold Bead Implantation in Canine Hip Joint Osteoarthritis. Veterinary Pathology, 48(6), 1118–1124. doi:10.1177/0300985810381910 . Acesso em: 20/07/2020.

36-Jæger GT; Stigen Ø; Devor M; Moe L. Gold Bead Implantation in Acupoints for Coxofemoral Arthrosis in Dogs: Method Description and Adverse Effects. Animals, 2(3), 426–436. Disponível em: DOI://10.3390/ani2030426 . Acesso em: 20/07/2020.

37-Figueiredo NEO; Luna SPL; Joaquim JGF; Coutinho HD. Avaliação do efeito da acupuntura e técnicas afins e perfil clínico e epidemiológico de cães com doenças neurológicas e osteomusculares atendidos em serviço de reabilitação veterinária. Ciência Animal Brasileira, Goiânia, v.19, 1-18, e-44570, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1809-6891v19e-44570 . Acesso em 20/07/2020.

38-Kirkby KA; Lewis DD – Canine Hip Dysplasia: Reviewing the Evidence for Nonsurgical Management. Veterinary Surgery, n. 41. Disponível em: DOI://10.1111/j.1532-950X.2011.00928.x . Acesso em: 20/07/2020.

39-Marinho PVT. Diagnóstico diferencial da doença do disco intervertebral. In: Lopes RS; Diniz R. Fisiatria em pequenos animais. 1a Ed. Ed. Inteligente. 2018. p. 187.

Arthur de Vasconcelos Paes Barretto

Médico-veterinário (CRMV-SP 6871) atuante no atendimento de pequenos animais através de técnicas de medicina veterinária integrativa (acupuntura, fitoterapia, termografia e ozonioterapia). Especialização em acupuntura veterinária e fitoterapia chinesa pelo Instituto Bioethicus. Graduado em medicina veterinária pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo.

{PAYWALL_FIM}